Dec 14, 2017 Last Updated 6:03 PM, Feb 11, 2017

A MAGIA DA MEIA ENTRADA (Hélio Schwartsman)

magica.png

 

O pensamento mágico é parte inafastável da arquitetura  mental humana. É que, em larga medida, nossos cérebros operam por ilusões.

Como diz o psicólogo Matthew Huts, se você acha que são pensamentos conscientes que fazem mover seu braço, então você também acredita em mágica.

  Ocorre que nem todas as intâncias desse fenômeno são iguais. Há situações em que crenças absurdas, como o comportamento supersticioso, são apenas inúteis, caso do torcedor que veste a meia da  sorte sempre que seu time joga. Muitas vezes, porém o recurso a elementos da magia revela-se útil, o que explica não terem sido dizimados pela evolução. Um estudo mostrou que voluntários acertavam 38% mais tacadas de golfe (‘’putts”)quando os pesquisadores lhes diziam que usariam o taco de um atleta famoso.

 Há, porém, um bom número de instâncias em que o pensamento mágico atua contra nós, seja nos fazendo desperdiçar energia com irrelevâncias, seja nos empurrando ativamente para erros custosos. Por vezes, sociedades inteiras embarcam na ilusão. Meu exemplo favorito de viagem coletiva é a recém-regulamentada lei da meia-entrada, apoiada por mais de 90% dos paulistanos. No discurso de seus defensores, a meia consegue, a custos mínimos, promover a cultura, investir na formação dos jovens e ainda homenagear os mais velhos tudo isso fazendo justiça social.

 O problema é que nada disso é real. Os preços de diversão publicas são livres, o que significa que o empresário já fixa os valores considerando uma cota de meia-entradas. Assim, tudo o que a lei faz é impor um subsídio cruzado difícil de justificar (nada indica que o subsidiado tenha menos renda que o subsidiante) e distorcer a transparência tarifária.

 Erros ainda mais caros ocorrem porque acreditamos magicamente que basta a vontade do legislador para materializar benefícios. É um pouco por isso que o Brasil quebrou.

Publicado na Folha de São Paulo em 10/10/15

 

 

 

Mais Recentes - Artigos